A energia solar fotovoltaica passou a crescer no Brasil principalmente a partir de 2012, após a criação de incentivos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para a modalidade de Geração Distribuída. 

Apesar do crescimento considerável que esse setor teve nos dez últimos anos, a instalação de um sistema fotovoltaico residencial ainda requer um investimento inicial alto. Confira mais detalhes no artigo a seguir. 

O custo de um sistema fotovoltaico residencial

Vários fatores estão envolvidos no cálculo do custo de um sistema fotovoltaico, sendo o principal deles a quantidade de energia consumida. Quanto maior for a demanda de energia, maior potência vão precisar ter os painéis solares instalados. 

Isso está diretamente relacionada a quantidade de placas solares.
Isso está diretamente relacionada a quantidade de placas solares.

Cada projeto fotovoltaico é desenvolvido levando em consideração as particularidades de cada edificação. Também é preciso verificar se o imóvel possui um local adequado para a instalação dos painéis.

Áreas com muitas árvores ou prédios em volta, por exemplo, acabam tendo muita sobra, o que pode comprometer o desempenho do sistema. No caso de apartamentos, só é possível fazer a instalação dos painéis nos imóveis que ficam na cobertura.

Como há uma grande divergência de valores entre os fornecedores desse tipo de equipamento, o custo médio pode variar bastante também. De modo geral, em residências, o sistema pode custar entre R$ 15 mil e R$ 50 mil.

Quanto mais cara for a conta de luz da residência em questão, maior será o valor inicial necessário para instalação do sistema.

O orçamento de um sistema para instalação em residência com uma conta de luz de R$ 300, por exemplo, será em média de R$ 15 mil. Para uma demanda maior, de R$ 1 mil em energia, o sistema deve custar mais de R$ 40 mil. O número de moradores e os equipamentos utilizados no local interferem diretamente nesse cálculo. 

Ainda que o custo inicial seja maior nos casos de contas de luz mais caras, é justamente nesses casos que o investimento vale mais a pena, pois a economia de energia acaba retornando o investimento mais rapidamente.

Seguindo um dos exemplos anteriores, com uma conta de luz de R$ 1 mil mensais a estimativa é de que seriam recuperados cerca de R$ 12 mil por ano. Dessa forma, o retorno de R$ 40 mil aconteceria após 3 anos de uso do sistema. 

Continue a leitura para saber mais sobre as vantagens de investir em energia solar residencial. 

As vantagens de produzir energia solar em casa 

Há diversas vantagens relativas ao investimento de geração de energia solar em sua residência. 

Além da possibilidade de reduzir a conta de luz em até 95%, há alguns outros fatores a respeito da sua instalação que fazem essa alternativa ser financeiramente atrativa. Os sistemas fotovoltaicos são fáceis de instalar, ocupam pouco espaço e demandam manutenção simples.

Os painéis duram mais de 25 anos, e precisam apenas de limpezas anuais, que podem ser realizadas pelo próprio proprietário, se usando os equipamentos de segurança e limpeza adequados. Além disso, a energia solar residencial também contribui com a valorização do imóvel. 

Casa com placa solar
Casa com placa solar

As vantagens se estendem a outros aspectos, como o fato de ser uma excelente opção de energia limpa e renovável. Ao contrário do que acontece com o petróleo, por exemplo, que se trata de um recurso que eventualmente irá se esgotar, a energia solar tem sua origem em uma fonte de energia constante e consistente: a luz do sol.

A exploração desse tipo de energia não causa impactos ambientais, não polui a natureza nem faz mal à saúde. 

Outro benefício está relacionado à diversidade dos tipos de sistemas fotovoltaicos. Você sabia que há mais de uma opção? Confira mais detalhes no próximo item.

Os tipos de sistemas fotovoltaicos

Há três opções de sistemas fotovoltaicos: on grid, off grid e híbrido. Cada tipo possui suas especificidades e podem se adequar a contextos diferentes. Para fazer a escolha adequada, é preciso levar em consideração a opção que melhor irá atender às necessidades e expectativas da sua residência com relação à geração de eletricidade. 

A principal diferença entre esses três tipos de sistema está na forma que armazenam a energia excedente. 

O sistema on grid é conectado à rede pública de distribuição de energia. Assim, quando o sistema fotovoltaico da residência produz mais energia do que consome, o excedente é injetado na rede elétrica convencional, e a partir disso são gerados créditos, que podem ser usados em até 5 anos. Como consequência, a conta de luz terá seu valor reduzido consideravelmente.

Essa é a solução mais procurada em regiões urbanas ou localidades que possuem acesso à energia elétrica por meio da rede de distribuição.  Apesar de ter a possibilidade de acúmulo de créditos na rede, está vulnerável a possíveis falhas de abastecimento por parte da distribuidora caso esteja utilizando do serviço. 

O sistema off grid não possui conexão com a rede pública de energia. Sendo assim, quem opta por essa técnica não paga a conta de luz. A autonomia desse sistema é garantida pelo banco de baterias, responsável por armazenar toda a energia excedente gerada pelos módulos fotovoltaicos.

As baterias são os locais onde se guardam a energia que é gerado
As baterias são os locais onde se guardam a energia que é gerado

Suas características fazem do sistema off grid uma opção mais indicada para instalação em lugares remotos, que muitas vezes não são atendidos pela rede pública. Um ponto positivo importante ao seu favor é o fato de não estar suscetível às falhas de abastecimento, pois conta com alimentação contínua proveniente das baterias que compõem o sistema. 

Vale pontuar que as baterias estacionárias que fazem parte do sistema off grid são produzidas com tecnologia de ponta. Por isso, optar pela instalação de um sistema do tipo off grid pode encarecer o orçamento.

Ainda assim, se a instalação será feita em local remoto ou se você prefere garantir maior autonomia para geração da sua energia, o sistema off grid cobre melhor esses aspectos

Mas se você tem um orçamento mais limitado e prefere priorizar aspectos como comodidade e praticidade, o sistema on grid provavelmente é a melhor opção para o seu caso. 

Para fazer a melhor escolha, é fundamental que o consumidor leve em consideração a sua própria realidade, ponderando aspectos como as necessidades, expectativas e limitações que envolvem o projeto. As singularidades de cada cenário são o que irá definir qual a melhor escolha. 

Ficou com alguma dúvida a respeito dos custos envolvendo a energia solar residencial? Então entre em contato conosco hoje mesmo, vamos bater um papo e esclarecer todos os pontos que ficaram pendentes.

Veja o resumo do post completo no story:

Posts Similares

Estórias Solares