Para gerar energia solar, é necessário investir na instalação de um sistema fotovoltaico, que é composto por painéis solares. O tamanho do sistema e a quantidade de painéis solares necessários pode variar de acordo com o consumo do imóvel e a incidência dos raios solares.

Todos esses detalhes são estabelecidos pelo dimensionamento de energia solar. Confira como esse processo funciona e mais detalhes no artigo a seguir. 

O que é o dimensionamento de energia solar? 

Trata-se do estudo e análise das especificidades do local em que o sistema fotovoltaico será implementado. Inclui também a identificação e escolha de quais equipamentos serão utilizados na produção de energia.

Saiba também o consumo que a sua casa tem, para saber qual a geração de energia necessária
Saiba também o consumo que a sua casa tem, para saber qual a geração de energia necessária

É também através desse procedimento que é calculada a quantidade de painéis solares para um projeto.

Sendo assim, o dimensionamento é basicamente o planejamento da instalação do sistema fotovoltaico. É realizado por empresas especializadas na venda e instalação desses equipamentos.

Para ajudar a definir o tamanho do seu sistema fotovoltaico, é preciso  ter em mente o quanto você quer investir e o quanto você deseja economizar nas contas de luz.

As principais variáveis para realizar o dimensionamento são a média de radiação solar local, a potência do painel solar e o consumo elétrico do imóvel. Veremos brevemente sobre cada um deles a seguir. 

Média de radiação solar local

Os módulos fotovoltaicos que compõem o painel solar produzem energia elétrica a partir da incidência da luz do sol que recebe. Sendo assim, quanto maior a média de radiação solar no local de instalação, menos painéis solares serão necessários para suprir o volume de energia que a residência consome.  

Potência do painel solar

A potência de um módulo solar determina a quantidade máxima de energia que ela é capaz de gerar em condições climáticas favoráveis. Os painéis apresentam uma potência de geração de fábrica, que varia de acordo com seu modelo, composição e tecnologia usada para a sua fabricação. 

Atualmente, as instalações residenciais para gerar energia solar costumam utilizar placas solares com potência a partir de 340 Watts-pico (Wp). 

Consumo elétrico do imóvel

Os projetos fotovoltaicos são projetados para suprir todo o consumo elétrico da residência, portanto a quantidade de placas será determinada pela demanda elétrica do imóvel. 

Para uma residência com um consumo mensal médio de 300 kWh, por exemplo, serão necessários aproximadamente 7 painéis solares, de modo a obter uma economia de até 95% na conta de luz. Quanto maior for o consumo, maior precisará ser a quantidade de painéis para atendê-lo. 

Também é possível optar pela instalação de um número menor de painéis, garantindo só uma parte do consumo da residência.

Muitas pessoas optam por essa solução para garantir apenas o abastecimento de aparelhos de ar-condicionado, por exemplo, que têm um consumo alto de energia e encarecem muito a conta de luz. Essa solução reduz o investimento inicial necessário para a instalação da tecnologia, mas não traz a economia de até 95% de luz.  

A placa solar pode trazer muita economia de luz.
A placa solar pode trazer muita economia de luz.

Continue a leitura para descobrir como é feito o cálculo do número de painéis a partir dos aspectos mencionados. 

Como calcular o número de painéis? 

Há alguns fatores técnicos que interferem diretamente na instalação do painel solar, impactando seu rendimento. Além dos aspectos técnicos citados anteriormente, é preciso considerar também a direção e inclinação do painel. 

No Brasil, o ideal é que os painéis solares sejam instalados voltados para o norte geográfico. Já a inclinação deve ser a mesma da localidade onde o sistema será implementado. 

Como exemplo, considere um painel solar capaz de produzir 40,8 kWh. Consulte as contas de luz do último ano do imóvel onde será instalado o sistema fotovoltaico, e calcule uma média anual do consumo (basta somar os consumos dos últimos doze meses, e dividir pela quantidade de meses). Em seguida, é só dividir o valor obtido pela produção mensal da placa. 

Variação de acordo com a região

Outro aspecto fundamental a ser considerado para realizar esse cálculo é a região onde o equipamento será instalado, uma vez que a disponibilidade diária de luz do sol pode variar bastante ao longo de todo o território brasileiro e de acordo com a época do ano e a regularidade das chuvas.

Para moradores da região Norte do Brasil, é preciso ter um sistema fotovoltaico composto em média por sete painéis solares para abastecer uma residência com consumo mensal de 300 kWh.

Para tal, o equipamento irá ocupar cerca de 19 metros quadrados. Os estados de Roraima, Pará e Amapá são os que recebem maior radiação solar, e, portanto, precisam de menos placas fotovoltaicas. Já os estados do Acre, Amazonas e Tocantins são os que necessitam de mais placas solares na região Norte. 

O Nordeste, por sua vez, é muito privilegiado no que diz respeito à disponibilidade de luz solar. Uma residência com consumo de 300 kWh por mês pode ser atendida por cerca de seis módulos solares, ocupando em torno de 16 metros quadrados.

Estados como Alagoas, Sergipe e Bahia possuem uma média inferior de radiação solar diária, e por isso instalações nessas localidades podem precisar de um número maior de painéis. 

Alguns estados brasileiros recebem mais incidência solar que outros
Alguns estados brasileiros recebem mais incidência solar que outros

O mesmo cálculo vale para moradores da região Centro-Oeste que estão interessados em investir em energia solar: sete placas solares devem ser o suficiente para abastecer uma residência com consumo de 300 kWh/mês. A área a ser ocupada pelo painel pode ser um pouco maior, de 19 metros quadrados. 

A grande diversidade de climas entre os estados localizados na região Sudeste torna esse cálculo menos previsível do que nas outras regiões. Sendo assim, o número necessário de placas pode mudar um pouco mais de acordo com a localidade.

Uma estimativa aproximada aponta que sete módulos solares, em média, seriam o suficiente para fornecer energia elétrica para uma residência no estado de São Paulo com consumo mensal de 300 kWh. Para isso, ocuparia cerca de 19 metros quadrados do telhado. 

Por fim, vamos falar da região Sul. Conhecida por seus invernos rigorosos, pode exigir uma quantidade maior de painéis solares para dar conta da produção de energia para uma residência com os mesmos parâmetros que usamos até aqui. A média seria de oito painéis solares, ocupando cerca de 22 metros quadrados. 

Como vimos neste artigo, há uma série de fatores, aspectos e detalhes a serem analisados com cautela para realizar o dimensionamento de energia solar para uma residência. Tudo isso pode variar muito de acordo com cada projeto, mas ainda assim, é importante que o consumidor tenha informações que sirvam de base para comparação na hora de tomar sua decisão. 

Energia Solar em sua Casa com Solfácil

Nós temos uma linha de financiamento revolucionária que permite que você troque o custo da sua conta de luz por um ótimo investimento em sistema de energia solar.

É isso mesmo! Temos uma rede de parceiros instaladores em todos os estados do Brasil que executam o projeto de energia solar em sua residência e você paga em até 144 parcelas com juros acessíveis. Tão acessíveis que a prestação mensal fica até 30% inferior à economia de energia que você tem com o sistema.

Posts Similares

Estórias Solares